VEM PRO GOOGLE

VOCÊ ENCONTROU O QUE QUERIA? PESQUISE. Nas guias está a matéria que interessa a você.

TENTE OUTRA VEZ. É só digitar a palavra-chave.

TENTE OUTRA VEZ. É só digitar a palavra-chave.
GUIAS (OU ABAS): 'este blog', 'blogs interessantes', 'só direito', 'anotações', 'anotando e pesquisando', 'mais blogs'.

PARTICIPE TAMBÉM DESTE SITE!

MAIS DE 1.860.000 ACESSOS. Muito obrigada, de coração!

ESTE É UM DOS MELHORES E MAIORES BLOGS DE PORTUGUÊS

terça-feira, 19 de abril de 2016

"SENÃO" E "SE NÃO": QUANDO USAR? DIFERENÇA, CURIOSIDADES, EXEMPLO

como se escreve: se não  ou senão
Qual a diferença entre “senão” e “se não”?
Regra geral: para indicar oposição use “senão”; se apontar uma hipótese, recomenda-se usar “se não”.
Mas a coisa não é tão simples. Tudo depende do contexto, do papel que o termo ou expressão exerce na frase.

SENÃO
1. Usa-se quando puder ser...
substituído por “a não ser”, “exceto”, “salvo”.
“Ela não dormiu a noite inteira, senão por alguns minutos.”
“Dalila jamais teve outra oportunidade de compensar o bem recebido, senão depois de dez anos.”
“Que lhe restava fazer senão esperar?”
2. Se puder ser substituído por “caso contrário", "ou”.
Apesar de a maioria dos especialistas recomendar senão (junto) neste caso (inclusive o Manual de Comunicação do Senado Federal), o Priberam autoriza o uso de “senão” ou “se não”, conforme o caso: "senão" enfatiza a segunda frase, que se opõe à primeira; "se não" realça a dualidade de hipóteses. Confesso que a segunda construção soa estranha e, se posso optar, fico com a primeira.
“Vamos esperar que o tempo firme, senão a excursão será cancelada.”
“Vamos esperar que o tempo firme, se não a excursão será cancelada.”
“Estude muito, senão não será aprovado”. (do contrário)
“Estude muito, se não não será aprovado”.
3. Em lugar de mas, porém, todavia, do contrário, de outra forma, mas sim, mas tambéma não ser:
Aliança entre partidos é como um casamento: tem que cuidar todo dia, senão desanda
4. substantivo masculino (plural: senões): indica defeito, falha, leve falta.
Havia apenas um senão: era tarde demais para voltar para casa. 
A casa, moderna, bem distribuída, tinha alguns senões.

SE NÃO
1. “Se não” é usado quando puder ser substituído por “caso não” ou “quando não”:
Se não chover, vamos à praia.
Se não visse com meus olhos, não acreditaria.
2. Quando a conjunção “se” introduz uma oração objetiva direta:
“Gostaria de saber se não é comprometido.”
3. Existe uma última possibilidade, mais rara, em que é invertida a ordem natural dos termos na frase, utilizando o pronome “se” seguido do advérbio “não”. Exemplificando:
"Não atentando nós nas coisas que se vêem, mas nas que se não vêem; porque as que se vêem são temporais, e as que se não vêem são eternas." (Coríntios 4:18)
"Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que se não vêem." (Hebreus 11:1)

GOSTOU? COMPARTILHE, deixe um comentário. NÃO GOSTOU? COMENTE, também. SEMPRE É POSSÍVEL MELHORAR.

Obrigada pela visita!
QUER RECEBER DICAS? SIGA O BLOG.


Seja leal. Não copie, compartilhe.
TODOS OS DIREITOS RESERVADOS
Respeite o direito autoral.
Gostou? Clique, visite os blogs, comente. É só acessar:

BELA ITANHAÉM

TROCANDO EM MIÚDOS

"CAUSOS": COLEGAS, AMIGOS, PROFESSORES

GRAMÁTICA E QUESTÕES VERNÁCULAS
PRODUÇÃO JURÍDICA
JUIZADO ESPECIAL CÍVEL (O JUIZADO DE PEQUENAS CAUSAS)

e os mais, na coluna ao lado. Esteja à vontade para perguntar, comentar ou criticar.
Um abraço!
Thanks for the comment. Feel free to comment, ask questions or criticize. A great day and a great week! 

Maria da Gloria Perez Delgado Sanches 

3 comentários:

  1. Nossa! Obrigado, mesmo, pela explicação. Eu sempre tive dificuldade para saber quando usar senão e senão. Foi muito elucidativo. Parabéns!
    Amanda Cristina Pereira

    ResponderExcluir
  2. Nossa! Obrigado, mesmo, pela explicação. Eu sempre tive dificuldade para saber quando usar senão e senão. Foi muito elucidativo. Parabéns!
    Amanda Cristina Pereira

    ResponderExcluir
  3. Ai, Maria da Gloria, é muito difícil! Fiz uma colinha resumida com o conteúdo da sua postagem e deixei em cima da minha mesa até decorar as regras. Muita coisa já guardei, como a diferença entre porque e por que, mas os senões me pegam no pulo. Parabéns pelo blog! É uma ajuda e tanto!
    Carolina de Freitas Bastos

    ResponderExcluir

Esteja a vontade para comentar, criticar, elogiar ou enviar sugestões.

DÊ UMA CHANCE PARA SEUS SONHOS. DA CIDADE GRANDE PARA A CASA NA PRAIA, COM UM GRAAAAAANDE TERRENO.

DÊ UMA CHANCE PARA SEUS SONHOS. DA CIDADE GRANDE PARA A CASA NA PRAIA, COM UM GRAAAAAANDE TERRENO.
Ser feliz é uma opção e você é livre para viver a vida. Escolha seu sonho. Vale a pena.

QUEM SOU EU

Minha foto

Da capital, já morei entre verde e bichos, na lida com animais e plantas: anos de injeção, espinho de ouriço, berne, parto de égua e curva de nível, viveiros, mudas, onde encontrei tempo para lecionar inglês, alfabetizar adultos e ler livros, na solidão do mato. 

Paixões se sucederam e convivem até hoje: Contabilidade, Economia, Arquitetura (IMES, MACK), a chácara e, afinal, o Direito (FDSBC, cursos e pós graduações). No Judiciário desde 2005, planto, replanto, reciclo, quebro paredes, reconstruo, estudo, escrevo e poetizo, ao som de passarinhos, que cantam nossa liberdade.

Não sou da cidade, tampouco do campo. Aprendiz, tento captar o que a vida oferece, para que o amanhã seja melhor. Um mundo melhor, sempre.

Agora em uma cidade mágica, em uma casa mágica, na qual as coisas se transformam e ganham vida; mais e mais vida. Minha cidade-praia-paraíso, Itanhaém.

Nesta casa de espaços amplos e um belo quintal, que jamais é a mesma do dia anterior, do minuto anterior (pois a natureza cuida do renovar a cada instante o viço, as cores, flores, aromas e sabores) retomei o gosto pelo verde, por releituras de espaços e coisas. Nela planto o que seja bom de comer ou de ver (ou deixo plantado o que Deus me trouxe), colho, podo, cozinho os frutos da terra, preparo conservas e invento pratos de combinações inusitadas, planejo, crio, invento, pinto e bordo... sonho. As ideias brotam como os rebentos e a vida mostra-se viva, pulsante.

Aqui, em paz, retomo o fazer miniaturas, componho terrários que encantam, mensagens de carinho representadas em pequenas e delicadas obras. 

Muito prazer! Fique à vontade, passeie um pouco: questões de Direito, português, crônicas ("causos"), jardinagem e artesanato. Uma receita, uma experiência nova, um redescobrir. 

Pergunte, comente, critique, ok? A casa é sua e seu comentário será sempre bem-vindo.

Maria da Gloria Perez Delgado Sanches

MARQUINHOS, NOSSAS ROSAS ESTÃO AQUI: FICARAM LINDAS!

MARQUINHOS, NOSSAS ROSAS ESTÃO AQUI: FICARAM LINDAS!

Arquivo do blog