VEM PRO GOOGLE

VOCÊ ENCONTROU O QUE QUERIA? PESQUISE. Nas guias está a matéria que interessa a você.

TENTE OUTRA VEZ. É só digitar a palavra-chave.

TENTE OUTRA VEZ. É só digitar a palavra-chave.
GUIAS (OU ABAS): 'este blog', 'blogs interessantes', 'só direito', 'anotações', 'anotando e pesquisando', 'mais blogs'.

PARTICIPE TAMBÉM DESTE SITE!

MAIS DE 1.900.000 ACESSOS. Muito obrigada, de coração!

ESTE É UM DOS MELHORES E MAIORES BLOGS DE PORTUGUÊS

terça-feira, 12 de janeiro de 2010

VENDA A PRAZO X VENDA À VISTA

a prazo e a vista: crase ou sem crase
Em VENDA A PRAZO não há crase, porque a locução conjuntiva é palavra masculina.
Entretanto, no caso de VENDA À VISTA ocorre a fusão da preposição A com o...
artigo definido FEMININO A.
Dessa forma, apenas no segundo caso deve ser registrada a crase.

deixe um comentário. SEMPRE É POSSÍVEL MELHORAR.

Obrigada pela visita!
QUER RECEBER DICAS? SIGA O BLOG.


Seja leal. Não copie, compartilhe.
TODOS OS DIREITOS RESERVADOS
Respeite o direito autoral.
Gostou? Clique, visite os blogs, comente. É só acessar:

BELA ITANHAÉM

TROCANDO EM MIÚDOS

"CAUSOS": COLEGAS, AMIGOS, PROFESSORES

GRAMÁTICA E QUESTÕES VERNÁCULAS
PRODUÇÃO JURÍDICA
JUIZADO ESPECIAL CÍVEL (O JUIZADO DE PEQUENAS CAUSAS)

e os mais, na coluna ao lado. Esteja à vontade para perguntar, comentar ou criticar.
Um abraço!
Thanks for the comment. Feel free to comment, ask questions or criticize. A great day and a great week! 

Maria da Gloria Perez Delgado Sanches

5 comentários:

  1. Prezada Maria,

    Sempre aceso teu blogue. O aprecio muito. Desta vez gostaria de comentar.

    Aprendi que ambas as formas do "à vista" são corretas, entretanto, a forma com acento é mais usual e até certo ponto mais moderna, digamos assim. Explico o que me explicaram: os gramáticos mais tradicionais não aceitam o uso de acento neste caso, pelo simples fato de que nele não ocorre a crase.

    Veja só: em “a vista” só temos a preposição "a" e não há o artigo “a” para ser fundido a ela, já que a crase só ocorre quando um “a” preposição se funde com um “a” artigo, como vc mesama explicou. Justamente por isso que antes de palavras masculinas nunca ocorre crase (pois nas palavras masculinas, ocorre a conjunção da preposição com o artigo: a + o = ao), como vc também já explicou.

    Analisando a expressão similar “a prazo”, onde também só temos a preposição "a" (mas não o artigo, pois se tivesse seria "ao prazo") antes do substantivo, fica evidente, então, que em “a vista" também só temos a preposição.

    Então por que se aceita a expressão com o acento grave, como se ocorresse crase? Porque há uma tendência a se utilizar o acento grave para indicar, em alguns casos, a ocorrência de locuções adverbiais (locução adverbial de modo, neste caso. O sujeito paga de que maneira?, de que modo? Paga do modo a vista).

    Em resumo: pode-se usar com ou sem acento. Sem acento é 100% correto, apesar de estranho e pouco usual. Já com acento é aceito, mas por uma ótica mais sisuda, pode ser entendido como erro.

    Há outras expressões onde ocorre isso: “A moça sentou na cadeira a cavalo”. Usa ou não usa acento grave no "a" cavalo? Resposta: Pode até se usar, caso se entenda que é uma locução adverbial e que necessita ser assinalada (ela se sentou da mesma maneira que se senta num cavalo OU ao modo que se monta num cavalo), mas é a mesma coisa, pode ser visto como modernismo e recusado por gramáticos mais rigorosos, e com razão, visto que neste caso específico e em outros similares, o substantivo é masculino, portanto, jamais poderia ocorrer crase, pois se houvesse artigo, seria "o" e não "a". Exemplos similares: matou a pau, forno a lenha...

    A partir daí, seguir tendências fica a gosto do freguês.

    Bjs e parábens pelo blogue, que particularmente acompanho e adoro.

    Cesar

    ResponderExcluir
  2. Oi, Maria.

    Eu, o Cesar, de novo. Veja o artigo interessante que acheisobre crase, no site do excelente prof Moreno:

    http://wp.clicrbs.com.br/sualingua/2009/04/27/ensino-a-distancia/

    Ele menciona o caso do a vista entre outros.

    Bjão
    Cesar

    ResponderExcluir
  3. Bom dia Cézar e Maria.
    Visitei o blog devido a uma dúvida gramatical.
    Achei bem interessante o artigo e realmente não sabia que "a vista" pode ou nao levar acento grave.
    Em meio a um concurso público, creio que o correto não seria acentuar o "a vista", estou correto?
    Outra situação que me persegue é:
    Leva ou não acento grave:
    -Voce devem comparecer a rua Ipiranga.
    ou...
    -Voces devem comparecer à rua Ipiranga.
    Qual deles é o mais aceito.
    Aguardo...Um abraço

    ResponderExcluir
  4. Felipe, boa noite

    O "a vista", como comporta as duas grafias, deve ser dessa forma analisado e respondido.

    Quanto ao "a Rua Ipiranga" ou "à Rua Ipiranga, é possível substituir por palavra masculina, que indique um logradouro possível.

    Se, por exemplo, fosse:
    "Deve comparecer ..... Largo dos Meninos" ou "Deve comparecer ..... Beco das Flores", como ficaria a resposta?

    Outro artifício seria a substituição, no caso de verbos indicadores de destino, pelo seu antônimo:
    - ir por vir ou voltar;
    - chegar por partir;
    - cair por levantar;
    - comparecer por faltar, ausentar.

    Ainda que o verbo comparecer seja definido , em regra, como intransitivo, admite, todavia, a forma de transitivo indireto, como se pode colher nos exemplos fornecidos pelo dicionário Michaelis on line:

    comparecer
    com.pa.re.cer
    (lat comparere+ecer) vti e vint
    1 Aparecer ou apresentar-se juntamente com outro ou outros em local determinado: Comparecer a uma solenidade, comparecer ante a autoridade, comparecer na tribuna. Só você não compareceu.
    2 Apresentar-se no seu posto ou repartição, para exercer as suas funções: Nem todos os deputados compareceram nessa sessão. Metade dos alunos não compareceu hoje.
    3 Aparecer em juízo, perante o tribunal, por si ou por procurador: Comparecer ante o tribunal, comparecer no tribunal, comparecer perante o tribunal. A testemunha não compareceu. Comparecer ao tribunal divino: a) dar a alma ao Criador; b) morrer; c) dar contas a Deus.

    De maneira que, substituindo as formas apontadas no recorte, podemos ter:

    1 comparecer na tribuna - ou comparecer ao tribunal: comparecer à tribuna.
    2 Apresentar-se no seu posto (...) ou apresentar-se (comparecer) ao seu posto ou comparecer à repartição;
    3. Nem todos os deputados compareceram nessa sessão - nem todos os deputados compareceram à reunião.
    4. Metade dos alunos não compareceu hoje - VI.

    ResponderExcluir
  5. Bom, com mais duvidas. No site PCI-Concursos explicou dessa forma:
    * à vista:
    Este é de longe o erro mais comum e mais cometido no uso do acento grave. Soa bastante natural o acento em vendas à vista. Porém é simples perceber que seu uso é incorreto. Basta fazer a substituição da palavra vista por um substantivo masculino, que no caso o mais prático é a palavra prazo, por ter um uso bastante similar. Como não dizemos vendas ao prazo, também não diremos vendas à vista, certo? Há porém que se notar um caso em que utiliza-se o acento grave: quando vista é usado no sentido de ver, enxergar, como em terra à vista.

    http://www.pciconcursos.com.br/aulas/portugues/dicas-de-portugues-02

    ResponderExcluir

Esteja a vontade para comentar, criticar, elogiar ou enviar sugestões.

DÊ UMA CHANCE PARA SEUS SONHOS. DA CIDADE GRANDE PARA A CASA NA PRAIA, COM UM GRAAAAAANDE TERRENO.

DÊ UMA CHANCE PARA SEUS SONHOS. DA CIDADE GRANDE PARA A CASA NA PRAIA, COM UM GRAAAAAANDE TERRENO.
Ser feliz é uma opção e você é livre para viver a vida. Escolha seu sonho. Vale a pena.

QUEM SOU EU

Minha foto

Da capital, já morei entre verde e bichos, na lida com animais e plantas: anos de injeção, espinho de ouriço, berne, parto de égua e curva de nível, viveiros, mudas, onde encontrei tempo para lecionar inglês, alfabetizar adultos e ler livros, na solidão do mato. 

Paixões se sucederam e convivem até hoje: Contabilidade, Economia, Arquitetura (IMES, MACK), a chácara e, afinal, o Direito (FDSBC, cursos e pós graduações). No Judiciário desde 2005, planto, replanto, reciclo, quebro paredes, reconstruo, estudo, escrevo e poetizo, ao som de passarinhos, que cantam nossa liberdade.

Não sou da cidade, tampouco do campo. Aprendiz, tento captar o que a vida oferece, para que o amanhã seja melhor. Um mundo melhor, sempre.

Agora em uma cidade mágica, em uma casa mágica, na qual as coisas se transformam e ganham vida; mais e mais vida. Minha cidade-praia-paraíso, Itanhaém.

Nesta casa de espaços amplos e um belo quintal, que jamais é a mesma do dia anterior, do minuto anterior (pois a natureza cuida do renovar a cada instante o viço, as cores, flores, aromas e sabores) retomei o gosto pelo verde, por releituras de espaços e coisas. Nela planto o que seja bom de comer ou de ver (ou deixo plantado o que Deus me trouxe), colho, podo, cozinho os frutos da terra, preparo conservas e invento pratos de combinações inusitadas, planejo, crio, invento, pinto e bordo... sonho. As ideias brotam como os rebentos e a vida mostra-se viva, pulsante.

Aqui, em paz, retomo o fazer miniaturas, componho terrários que encantam, mensagens de carinho representadas em pequenas e delicadas obras. 

Muito prazer! Fique à vontade, passeie um pouco: questões de Direito, português, crônicas ("causos"), jardinagem e artesanato. Uma receita, uma experiência nova, um redescobrir. 

Pergunte, comente, critique, ok? A casa é sua e seu comentário será sempre bem-vindo.

Maria da Gloria Perez Delgado Sanches

MARQUINHOS, NOSSAS ROSAS ESTÃO AQUI: FICARAM LINDAS!

MARQUINHOS, NOSSAS ROSAS ESTÃO AQUI: FICARAM LINDAS!

Arquivo do blog