VEM PRO GOOGLE

VOCÊ ENCONTROU O QUE QUERIA? PESQUISE. Nas guias está a matéria que interessa a você.

TENTE OUTRA VEZ. É só digitar a palavra-chave.

TENTE OUTRA VEZ. É só digitar a palavra-chave.
GUIAS (OU ABAS): 'este blog', 'blogs interessantes', 'só direito', 'anotações', 'anotando e pesquisando', 'mais blogs'.

PARTICIPE TAMBÉM DESTE SITE!

MAIS DE 2.000.000 ACESSOS. Muito obrigada, de coração!

ESTE É UM DOS MELHORES E MAIORES BLOGS DE PORTUGUÊS

quinta-feira, 27 de junho de 2013

SOBRE O LATIM E COMO GRAFÁ-LO: ASPAS OU ITÁLICO?

como destacar o latim: aspas, grifo ou itálico?
Esta foi aprendida da professora Débora Vanessa Caús Brandão, nos idos de 2006. Aliás, um memorável 4 de março de 2006.
Estávamos no primeiro bimestre da disciplina "Direito das Coisas" e a mestre nos brindou com o conhecimento que lhe foi legado na pós graduação: As aspas são reservadas às palavras estrangeiras.
Nossa língua-mãe é o latim. Se é língua-mãe, nós devemos conhecê-la. É uma presunção.
Portanto,...
os termos latinos não devem ser grafados com aspas, mas sim sublinhados ou destacados em itálico.
E no exame da OAB, o que fazer?
A resposta foi também dada pela professora: como a conferência é feita por computador, pode ele ler o grifo como rasura. Não é possível grafar em itálico. Pois bem, nesse caso são admitidas as aspas. Em outro texto, como uma monografia, não. 
Aliás, serve aqui um pequeno comentário: não utilize termos em latim na prova da OAB. Não é o momento de exibir conhecimento. Atente-se êm escrever o texto em bom português, sem ilustrações dispensáveis.  
Observo que, se no antigo curso "ginasial" aprendi música e francês, além de um inglês que ia muito além do "to be", ao meu pai ensinaram filosofia, latim e espanhol, inclusive.
O ensino no Brasil degringolou tanto que, hoje, a mocidade sequer conhece os verbos no infinitivo.  
São comuns redações nas quais se escreve "Janaína foi fazê o que devia"; "Tamara vai falá para João trazê o seu presente".
É com cuidado que vejo o acento e a supressão do erre, além da falta de organização das idéias.
Talvez estejam escrevendo menos redações. Talvez tais redações não estejam sendo corrigidas. Talvez, ainda, os professores que as corrigem não estejam preparados. Talvez. Sem o ânimo de generalizar, é um talvez.

deixe um comentário. SEMPRE É POSSÍVEL MELHORAR.

Obrigada pela visita!
QUER RECEBER DICAS? SIGA O BLOG.


Seja leal. Não copie, compartilhe.
TODOS OS DIREITOS RESERVADOS
Respeite o direito autoral.
Gostou? Clique, visite os blogs, comente. É só acessar:

BELA ITANHAÉM

TROCANDO EM MIÚDOS

"CAUSOS": COLEGAS, AMIGOS, PROFESSORES

GRAMÁTICA E QUESTÕES VERNÁCULAS
PRODUÇÃO JURÍDICA
JUIZADO ESPECIAL CÍVEL (O JUIZADO DE PEQUENAS CAUSAS)

e os mais, na coluna ao lado. Esteja à vontade para perguntar, comentar ou criticar.
Um abraço!
Thanks for the comment. Feel free to comment, ask questions or criticize. A great day and a great week! 

Maria da Gloria Perez Delgado Sanches 

6 comentários:

  1. As palavras em línguas mortas devem ser sublinhadas nos textos. Assim, palavras em latim devem ser sublinhadas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Randolpho, boa noite e obrigada pelo comentário!
      Segundo a professora Débora, os termos em latim devem ser escritos em itálico; se escritos à mão, devem ser sublinhados. O problema é que a prova da OAB é digitalizada e os grifos podem ser lidos como palavras riscadas. Nesse caso, por exceção, são admitidas as aspas.

      Excluir
  2. Boa noite.

    Conforme o professor José Maria da Costa, embora se trate de nossa língua materna, todavia, não sendo nosso idioma, podem ser escritas em quaisquer das opções: itálico, negrito, aspas e sublinhado.

    Fonte: http://www.migalhas.com.br/Gramatigalhas/10,MI57473,11049-Latim+entre+aspas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite!

      Obrigada pelo comentário.
      É enriquecedor partilhar opiniões diversas.
      Considero natural que haja divergências e já vi citações em latim grafadas de diversas formas - o que não significa que todas sejam adequadas -, no mais das vezes entre aspas ou em itálico, não grifadas e jamais sublinhadas.
      O texto acima foi oportunizado por um aparte de nossa professora, aprendido no mestrado da PUC, em São Paulo.
      Entretanto, se escrito à mão, o itálico é inviável e em uma prova da OAB ou de concurso público o grifo marcaria as palavras como "riscado"(*).
      Então vale o bom senso: em um texto digitado, o aconselhável seria o itálico; escrito à mão, a citação receberia aspas.
      (*) Aqui fica o meu aparte: se em um concurso você tiver que eliminar uma ou mais palavras, não invente. Você não tem borracha, não é permitido usar corretivo. Passe, apenas, um traço firme sobre o quer extrair. Um só. O texto permanecerá limpo e não perderá em elegância.
      Um abraço e uma excelente noite!

      Excluir
  3. Na verdade, quando a palavra já foi 'aportuguesada' não é mais necessário grafá-la de maneira diferente.

    https://www12.senado.leg.br/manualdecomunicacao/redacao-e-estilo/estilo/estrangeirismos-grafados-sem-italico

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Erica!
      É isso mesmo. Quando nos "apropriamos" de uma palavra estrangeira, ela passa a fazer parte de nosso vocabulário. Portanto, nesse caso, não há diferenciação na grafia (grifo, aspas, itálico).
      Obrigada pelo comentário e uma noite perfeita para você!

      Excluir

Esteja a vontade para comentar, criticar, elogiar ou enviar sugestões.

DÊ UMA CHANCE PARA SEUS SONHOS. DA CIDADE GRANDE PARA A CASA NA PRAIA, COM UM GRAAAAAANDE TERRENO.

DÊ UMA CHANCE PARA SEUS SONHOS. DA CIDADE GRANDE PARA A CASA NA PRAIA, COM UM GRAAAAAANDE TERRENO.
Ser feliz é uma opção e você é livre para viver a vida. Escolha seu sonho. Vale a pena.

QUEM SOU EU

Minha foto

Da capital, já morei entre verde e bichos, na lida com animais e plantas: anos de injeção, espinho de ouriço, berne, parto de égua e curva de nível, viveiros, mudas, onde encontrei tempo para lecionar inglês, alfabetizar adultos e ler livros, na solidão do mato. 

Paixões se sucederam e convivem até hoje: Contabilidade, Economia, Arquitetura (IMES, MACK), a chácara e, afinal, o Direito (FDSBC, cursos e pós graduações). No Judiciário desde 2005, planto, replanto, reciclo, quebro paredes, reconstruo, estudo, escrevo e poetizo, ao som de passarinhos, que cantam nossa liberdade.

Não sou da cidade, tampouco do campo. Aprendiz, tento captar o que a vida oferece, para que o amanhã seja melhor. Um mundo melhor, sempre.

Agora em uma cidade mágica, em uma casa mágica, na qual as coisas se transformam e ganham vida; mais e mais vida. Minha cidade-praia-paraíso, Itanhaém.

Nesta casa de espaços amplos e um belo quintal, que jamais é a mesma do dia anterior, do minuto anterior (pois a natureza cuida do renovar a cada instante o viço, as cores, flores, aromas e sabores) retomei o gosto pelo verde, por releituras de espaços e coisas. Nela planto o que seja bom de comer ou de ver (ou deixo plantado o que Deus me trouxe), colho, podo, cozinho os frutos da terra, preparo conservas e invento pratos de combinações inusitadas, planejo, crio, invento, pinto e bordo... sonho. As ideias brotam como os rebentos e a vida mostra-se viva, pulsante.

Aqui, em paz, retomo o fazer miniaturas, componho terrários que encantam, mensagens de carinho representadas em pequenas e delicadas obras. 

Muito prazer! Fique à vontade, passeie um pouco: questões de Direito, português, crônicas ("causos"), jardinagem e artesanato. Uma receita, uma experiência nova, um redescobrir. 

Pergunte, comente, critique, ok? A casa é sua e seu comentário será sempre bem-vindo.

Maria da Gloria Perez Delgado Sanches

MARQUINHOS, NOSSAS ROSAS ESTÃO AQUI: FICARAM LINDAS!

MARQUINHOS, NOSSAS ROSAS ESTÃO AQUI: FICARAM LINDAS!

Arquivo do blog