VEM PRO GOOGLE

VOCÊ ENCONTROU O QUE QUERIA? PESQUISE. Nas guias está a matéria que interessa a você.

TENTE OUTRA VEZ. É só digitar a palavra-chave.

TENTE OUTRA VEZ. É só digitar a palavra-chave.
GUIAS (OU ABAS): 'este blog', 'blogs interessantes', 'só direito', 'anotações', 'anotando e pesquisando', 'mais blogs'.

PARTICIPE TAMBÉM DESTE SITE!

MAIS DE 2.000.000 ACESSOS. Muito obrigada, de coração!

ESTE É UM DOS MELHORES E MAIORES BLOGS DE PORTUGUÊS

quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

NOME PRÓPRIO TEM PLURAL?

Nome próprio tem plural?
Nomes próprios de pessoas (antropônimos), assim como marcas e nomes de produtos, têm plural: essa é a regra e a tradição. Exemplo é o conhecido romance português "Os Maias". Nele, Eça de Queirós traça a história de uma família (os Maias) ao longo de três gerações. 

Quando usar o plural de nomes?

Usamos o plural quando falamos de várias pessoas com o mesmo prenome, assim como ao nos referirmos às pessoas de uma família (exemplo: "Os Silvas não têm parentesco entre seus variados ramos"), às obras de um artista (exemplo: "Aquele museu abriga a maior coleção de Picassos conhecida"), ou ainda quando comparamos características de um mesmo artista (exemplo: "Há dois Pedros I na história da independência do Brasil: o viajante montado em mula, mal ajambrado, e o pintado no quadro de Pedro Américo, gravado na memória dos brasileiros, embora inverossímil").

A infração cometida pela imprensa 

Admitido como regra e de uso tradicional o plural dos nomes, há quem prefira reduzir sobrenomes ao singular, quando referenciada a família, tendência atual utilizada sobretudo pela imprensa. Condenada, a princípio, a exceção tem sido expandida, sendo a cada dia menos condenada.
Exemplo são as alusões à família Gracie:
O Vale-Tudo, luta que não tem regras definidas, nasceu das apresentações e lutas dos irmãos Gracie, que queriam provar que a técnica desenvolvida por eles funcionava. 

Regra geral: o plural segue a regra geral da flexão

O plural dos nomes próprios segue as mesmas regras dos nomes comuns: os Andradas, os Ferreiras, os Sotomaiores, as Peixotos, os Meneses, os Luíses, as Ineses, os Queiroses, os Rodrigues, os Joões (não Joãos), dois Rafaéis, vários Canalettos, os Miquelângelos. 


As exceções a observar

Faz sentido. Mas as regras que regem a ortografia oficial observa algumas exceções ou observações:


Nomes estrangeiros

Sendo o nome estrangeiro, com terminação estranha ao português, o plural é obtido pelo simples acréscimo da consoante "s", pois não se sujeitam à flexão do plural do idioma de origem: Beethovens, Disneys, Kennedys, Jacksons, Collors, Bushs (e não Bushes, por exemplo).


Nomes terminados em "s" ou "z"

Se o nome terminar em "s" ou "z", o plural é invariável: os Perez, os Sanches, os Rodrigues, os Vasques.
Exemplos:
Os Perez e os Sanches têm origem na Espanha.
Tudo foi olvidado aos Rodrigues, que seguiram a história desconhecendo seu passado.

Exceção da exceção: os Luíses. 

Exemplos:
Veja que se as Marias e as Joaquinas ou Marias e Clarisses soa bem aos ouvidos. 
Um bom exemplo, para não esquecer, é a música “O bêbado e a equilibrista”, de Aldir Blanc:
Chora,
A nossa Pátria
Mãe gentil
Choram Marias
E Clarices
No solo do Brasil…
O compositor, propositadamente, faz alusão à Maria, mãe do Henfil e à Clarice, esposa de Vladimir Herzog, ambos vítimas da ditadura; com o plural, abarca as mães e esposas que perderam seus filhos e maridos para o sistema ditatorial.
De outra sorte, pense na frase "Quantos Luis reinaram na França?" Não há como discordar: soa muito esquisito. 
Por conta disso, dizemos "Quantos Luíses reinaram na França?"

Sonoridade dos nomes

A regra aplicada a Luíses (que é a exceção da exceção) também faz exceção em qualquer caso, quando o nome a ser flexionado soar, igualmente, esquisito. Se não soar bem aos ouvidos, mantenha o nome no singular.
Exemplos:
Vagner, Gil, Ester, Mortimer.

Nome composto: qual elemento varia?

Neste caso não há unanimidade. 

Nome composto sem elemento intermediário

Se não há elemento intermediário (conjunção ou preposição), há quem defenda que apenas o último elemento deva ser pluralizado (os Delgado Pedrosos, os Ferreira Varellas, os Rui Barbosas); para outros mestres, é o primeiro elemento que deve assumir o plural (as Marias Aparecida, os Arrudas Sampaio); por fim, temos os que pluralizam ambos os elementos (as Marias Joaquinas, os Andradas e Silvas). 

Nome composto com preposição intermediária

Neste caso, apenas o primeiro elemento varia, assumindo a forma plural. Dizemos os Machados de Abreu, os Delgados Pedroso, Pedros da Silva (o segundo elemento mantém a forma singular).

A conjunção aditiva "e"

Se o nome composto integrar o elemento de ligação e (conjunção), apenas o  último elemento irá para o plural: os Andrada e Melos, os Andrada e Silvas. Flexionar o primeiro e o último elemento atrairia confusão. Entretanto, há quem defenda que o primeiro elemento, não o último, deva ser flexionado: os Andradas e Melo, os Andradas e Silva e outros flexionam ambos: os Andradas e Melos, os Andradas e Silvas.
Portanto, no caso da conjunção "e", por não haver acordo entre os gramáticos, resta a liberdade de escolha.




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Esteja a vontade para comentar, criticar, elogiar ou enviar sugestões.

DÊ UMA CHANCE PARA SEUS SONHOS. DA CIDADE GRANDE PARA A CASA NA PRAIA, COM UM GRAAAAAANDE TERRENO.

DÊ UMA CHANCE PARA SEUS SONHOS. DA CIDADE GRANDE PARA A CASA NA PRAIA, COM UM GRAAAAAANDE TERRENO.
Ser feliz é uma opção e você é livre para viver a vida. Escolha seu sonho. Vale a pena.

QUEM SOU EU

Minha foto

Da capital, já morei entre verde e bichos, na lida com animais e plantas: anos de injeção, espinho de ouriço, berne, parto de égua e curva de nível, viveiros, mudas, onde encontrei tempo para lecionar inglês, alfabetizar adultos e ler livros, na solidão do mato. 

Paixões se sucederam e convivem até hoje: Contabilidade, Economia, Arquitetura (IMES, MACK), a chácara e, afinal, o Direito (FDSBC, cursos e pós graduações). No Judiciário desde 2005, planto, replanto, reciclo, quebro paredes, reconstruo, estudo, escrevo e poetizo, ao som de passarinhos, que cantam nossa liberdade.

Não sou da cidade, tampouco do campo. Aprendiz, tento captar o que a vida oferece, para que o amanhã seja melhor. Um mundo melhor, sempre.

Agora em uma cidade mágica, em uma casa mágica, na qual as coisas se transformam e ganham vida; mais e mais vida. Minha cidade-praia-paraíso, Itanhaém.

Nesta casa de espaços amplos e um belo quintal, que jamais é a mesma do dia anterior, do minuto anterior (pois a natureza cuida do renovar a cada instante o viço, as cores, flores, aromas e sabores) retomei o gosto pelo verde, por releituras de espaços e coisas. Nela planto o que seja bom de comer ou de ver (ou deixo plantado o que Deus me trouxe), colho, podo, cozinho os frutos da terra, preparo conservas e invento pratos de combinações inusitadas, planejo, crio, invento, pinto e bordo... sonho. As ideias brotam como os rebentos e a vida mostra-se viva, pulsante.

Aqui, em paz, retomo o fazer miniaturas, componho terrários que encantam, mensagens de carinho representadas em pequenas e delicadas obras. 

Muito prazer! Fique à vontade, passeie um pouco: questões de Direito, português, crônicas ("causos"), jardinagem e artesanato. Uma receita, uma experiência nova, um redescobrir. 

Pergunte, comente, critique, ok? A casa é sua e seu comentário será sempre bem-vindo.

Maria da Gloria Perez Delgado Sanches

MARQUINHOS, NOSSAS ROSAS ESTÃO AQUI: FICARAM LINDAS!

MARQUINHOS, NOSSAS ROSAS ESTÃO AQUI: FICARAM LINDAS!

Arquivo do blog